Só mais um episódio: Mr. Robot


De todos os blogs que sempre visito e resenhas de séries que sempre leio, nunca vi nada sobre MR. Robot. Fui saber da existência durante a premiação de um Emmy, onde o protagonista Rami Malek levou pra casa o prêmio de Melhor Ator em Série Dramática. E estava indicada por tudo: Golden Globe (2016 e 2017), Screen Actors… Afinal quem/o que é Mr Robot? Onde vive? Do que se alimenta? Sabia que envolvia uma narrativa mais tecnológica, mas o que chamou minha atenção foi apenas o quanto ela estava em evidência e sempre tiveram outros argumentos mais fortes que esse pra assistir outras séries que apareciam no caminho.

Não sei vocês, mas sempre que termino a maratona de uma série que gosto muito, não só fico deprimida quando acaba, como me sinto meio perdida. Do tipo “tá e agora?”. Num primeiro momento quero assistir algo com a mesma temática. Só quando percebo que não vai rolar é que desisto e procuro algo promissor pra me conquistar logo de cara. Sabe aquelas que só engrenam lá pelo 5º episódio? Esse nunca é o momento ideal pra começar uma dessas. E foi com o fim da 13ª temporada de Grey’s Anatomy que fiquei andando em círculos decidindo o que veria. E eis que a lâmpada do meu cérebro acendeu e a ideia de conferir o tal Mr. Robot apareceu. Eu sei que sou prolixa, sei mesmo, mas nesse caso essa explicação era bem necessária pra ilustrar por quanto tempo negligenciei essa série que só consigo definir com essa palavra florida e cheia de classe: foda.Primeiro: Seja uma pessoa sábia e não saia pesquisando adoidado sobre Mr. Robot. A primeira temporada tem apenas 10 episódios e cada um deles reserva um susto, um plot twist de deixar o queixo lá embaixo. E pra manter toda essa adrenalina, o ideal é que os spoilers se mantenham o mais longe possível. De maneira confiável e sem furos, deixa eu contar a sinopse: Elliot é um técnico de informática que trabalha numa empresa que protege a parte tecnológica de grandes empresas, evitando assim invasões de hackers e afins. Acontece que ele é na verdade um hacker, e sua rotina consiste basicamente em trabalhar, ir à psicóloga e hackear a vida privada de pessoas que conhece. Elliot sofre de paranoia, depressão, tem problemas pra se relacionar com as pessoas (entre outros que vamos conhecendo depois) e por conta disso, tem apenas uma amiga de infância no seu circulo – se é que pode se chamar assim – social.

Um detalhe importante e que faz bastante diferença no seriado, é a comunicação do protagonista com o telespectador. Não é naquele sentido filme do Woody Allen, onde rola um diálogo “com a câmera”. Aqui nesse caso, Elliot vai conversando dentro de seus pensamentos como se houvesse outra pessoa escutando ou vendo as mesmas coisas que ele. É bem interessante e só ratifica o seu comportamento confuso e exaltado. Tentei ser o mais sucinta possível evitando dar algum furo, mas tentando transmitir minha empolgação com essa que é – na minha humilde opinião – uma das melhores séries que já assisti. É bem feita, super produzida, tem atuações incríveis, dá um nó na cabeça, e nos faz ter eternamente dúvidas se o nosso antivírus realmente funciona. Mr. Robot é simplesmente foda.

 

 

Anúncios

6 comentários sobre “Só mais um episódio: Mr. Robot

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s